19 de nov de 2012

DESVIAR OS OLHOS .
“Desvia meus olhos de contemplar a vaidade, e vivifica-me em teu caminho.”(Salmo 119.37). Davi havia orado por seu coração, e alguém poderia pensar que os olhos pudessem ser influenciados pelo coração, de modo que não houvesse necessidade de fazê-los objetos de petição especial; nosso autor, porém, está resolvido a fazer a certeza duplamente infalível. Se os olhos não vêem, talvez o coração não deseje. De qualquer forma, fecha-se uma porta para a tentação quando deixamos de olhar para alguma quinquilharia bem adornada. O pecado inicialmente penetrou a mente humana através dos olhos, e estes continuam ainda sendo a porta favorita para as inconvenientes seduções de Satanás; daí a necessidade de uma dupla vigilância sobre esse portal. A oração não visa tanto a que os olhos sejam fechados, mas que sejam 'desviados'; pois nos é indispensável que eles estejam abertos, porém direcionados para os objetos certos. É possível que você esteja neste exato momento fitando alguma tolice; se esse é o caso, você preciso desviar os olhos; e se estiver contemplando as coisas celestiais, será sábio rogar que seus olhos sejam guardados da vaidade. Por que olhamos para a vaidade? — elas se desvanecem como o vapor. Por que não contemplamos as coisas eternas? O pecado é vaidade; o lucro injusto é vaidade; a auto-apreciação exagerada é vaidade; aliás, tudo o que não procede de Deus pertence ao mesmo catálogo.

Nenhum comentário: