20 de jan de 2011

PORQUE SER VEGETARIANO?

Por que ser vegetariano? Existe alguma vantagem cientificamente demonstrável no fato de não comer carne? Ao invés de vantagem, isto não poderia trazer problemas nutricionais, como deficiência de proteína, ferro, zinco ou vitamina B12? Estas são apenas algumas das numerosas questões levantadas por quem defronta este assunto, não raro incômodo. Incômodo para quem acha que não vive sem a carne, freqüentadora assídua de seu cardápio, ou para quem de algum modo lucra com a comercialização ou a industrialização deste produto alimentício. Primeiramente é preciso esclarecer que o vegetarianismo é uma das tendências que mais crescem atualmente no mundo desenvolvido. O número de vegetarianos vem aumentando em ritmo consideravelmente acelerado nas últimas décadas. Surgem, por toda parte, novos restaurantes e associações vegetarianas, mesmo em recantos remotos do planeta. Este fenômeno não vem ocorrendo por mera casualidade. Também não pode ser interpretado como onda passageira de modismo alimentar. A força de tendências culturais e religiosas não pode ser esquecida, mas tampouco explica um crescimento tão notável. As razões mais verossímeis por que o vegetarianismo vem aumentando ultimamente podem ser encontradas principalmente em dois terrenos: (1) A tomada universal de uma nova consciência ecológica e (2) a renovada ênfase à promoção da saúde através da adoção de hábitos que previnam doenças crônicas, as grandes assassinas do homem moderno. Em resumo, o que quero dizer é que os vegetarianos, de modo geral, não são apenas meros abstinentes de carnes. Na sua maioria pertencem a um grupo seleto de pessoas que exibem um senso crítico apurado sobre saúde e ecologia. São pessoas que procuram entender melhor seu corpo, agregando à dieta outras práticas saudáveis como exercícios físicos. Procuram adotar uma postura preventiva e promotiva da saúde, o que é menos comum entre os não-vegetarianos. Por isso são poucos os vegetarianos de longa data que não saibam balancear sua alimentação, que já não saibam recitar de cor a cartilha da “substitução” ou “equivalência” de alimentos. Dedicamos, portanto, este artigo e os próximos, especialmente aos que querem mudar seus hábitos alimentares, que estudam a possibilidade de ingressar no clube dos defensores do regime alimentar sem carne.(Dr.Boarim)

Um comentário:

karina disse...

Gostei...

Também sou vegetariana total.
Estou me sentindo tão bem, a digestão também melhorou.
Melhor ainda é saber que podemos impedir que pessoas utilizem o ódio para com a matança de animais.

Que Deus os abençoe.