27 de ago de 2011

ESPELHO

Em uma Estação de trem, entravam várias senhoras, passavam e paravam diante de um grande espelho. Então se miravam de todos os lados, para ver se o vestido estava impecável. Então retocavam a maquiagem. Por muito tempo se demoravam em frente ao espelho, para dispor o vestido de modo que ficassem satisfeitas, a fim de terem o melhor aspecto aos olhos humanos. Pensei na lei de Deus, o grande espelho moral no qual se deve mirar o pecador para descobrir os defeitos de seu caráter. Se todos estudassem a lei de Deus - o padrão moral de caráter - tão diligente e criticamente como muitos fazem, com auxílio do espelho, em relação a sua aparência exterior, com o propósito de corrigir e reformar todo defeito do caráter, que transformações não se verificariam neles, "porque, se alguém é ouvinte da Palavra e não cumpridor, é semelhante ao varão que contempla ao espelho o seu rosto natural; porque se contempla a si mesmo, e foi-se, e logo se esqueceu de como era". (Tiago. 1:23 e 24). Muitos há que, ao olharem para o espelho moral de Deus, reconhecem ter defeitos de caráter; tanto, porém, ouviram dizer que "tudo que é preciso fazer é crer," que, depois de terem ousado olhar ao espelho, a passos rápidos dele se afastam, continuando com todos os seus defeitos, e tendo nos lábios as palavras: "Jesus tudo fez." Esses são representados pela figura traçada por Tiago - "o homem que se contempla ao espelho e se retira esquecido da espécie de pessoa que era". A fé e as obras são os dois remos que devem ser usados para impelir o, barco contra a corrente do mundanismo, orgulho e vaidade; e se não forem usados, o barco flutuará a esmo, corrente abaixo, para a perdição. Deus nos ajude a cuidar do adorno interior; a pormos em ordem o coração com o mesmo cuidado com que arranjamos as vestes exteriores. (E.G.W - Review and Herald, 11 de outubro de 1887).

Nenhum comentário: